Arquivo da tag: Turismo no Panamá

Arquipélago de Las Perlas: bate e volta a partir da Cidade do Panamá.

Hoje conto, para vocês, de um passeio legal que dá até para fazer em um dia (estilo “bate e volta”) a partir da Cidade do Panamá, para quem não dispensa uma praia.

O interessante é que se de um estilo “caribenho” mas em pelo Oceano Pacífico: refiro-me ao “famoso” Arquipélago de Las Perlas.

Ok, pode até não ser famoso para você, mas sim, o lugar é um reduto famoso e tradicional da região. Este arquipélago está a cerca de 1h e 40min. de Ferry (ou 40 minutos de avião) da Cidade do Panamá e é composto por mais de 90 ilhas e ilhetas com paisagem paradisíacas de areia branca e água azul-turquesa.

O nome “Las Perlas” (ou Pérolas, em bom português) vem do fato da ilha ter sido quase uma “mina” de pérolas, obviamente, tal riqueza que foi muito explorada pelos espanhóis enquanto Panamá era sua colonia. Conta a história que o Arquipélago era um reduto de veraneio de pessoas muito ricas, incluídos alguns astros de Hollywood. Um fato interessante foi o do Xá Mohammed Reza Pahla, que fugiu do Irã em 1979 levando toda a sua riqueza para as ilhas. Finalmente, em 2003 a TV americana filmou ai os episódios do Reality Show “Survivor”.

Mas deixando as tecnicalidades de lado, vamos ao que interessa: o lugar é muito bonito e legal. Atualmente entre 3 a 4 ilhas tem boa estrutura turística, mas nao espere “resorts”, se trata de muito mais um lugar “de charme relativamente simples” composto por casas de verão (para temporada) e pousadas de vários estilos:

Fonte: las perlas inn
Fonte: las perlas inn

Como podem ver pelo mapa acima, existem inúmeras ilhas, porém as mais famosas sao:

  • Saboga: a primeira no trajeto do ferry, sem aeroporto, tem poucas pousadas. É bem pequena e simpática, ótima para “passar o dia”. (não confundir com “Taboga”, leia aqui…)
  • Contadora: maior que a Saboga, considero que tem a mais variada estrutura turística com um número maior de pousadas e restaurantes. Segunda no trajeto do ferry. tem aeroporto. É lugar de muitas casas de verao e considero a ilha “mais fácil”, explico melhor abaixo…
  • San José: a segunda maior ilha, tem o que é reconhecido uma das melhores pousadas de charme do Panamá: O hotel Hacienda del Mar. A maior parte da ilha é coberta por floresta tropical e conta com 37 praias exclusivas. Curiosidade: durante a ocupação dos EUA, esta ilha era usada como centro de teste de armas químicas. Em 2001 uma auditoria concluiu que o lugar estaria livre de contaminação. Só é possível chegar por avião voando Air Panamá.
  • San Miguel (del Rey): a maior de todas, tem aeroporto, mas não é muito turística pelo fato de estar sob grande desenvolvimento de iniciativas imobiliárias residenciais privadas.
  • Isla Viveros: Esta sim, turística, pode ser acessada por ferry ou avião, Também está sob expansão de projetos residenciais, mas conta com um Resort que parece ser bem legal.

A única ilha que visitei foi a Contadora, por isso faco um relato detalhado abaixo:

Ilha Contadora

É a ilha que começou a ser explorada primeiro, por isso tem uma estrutura já consolidada e, sendo assim, “mais fácil” para o turista. A ilha é composta por umas 7 praias de areia branca e águas mornas, a maioria das praias são pequenas e muitas vezes pode pode até se ver sozinho na praia devido à exclusividade do lugar. Abaixo segue um mapa das praias de Contadora:

Mapa Contadora

Por ser uma ilha pequena e ter todas a vias asfaltadas, é muito fácil localizar-se mas nem tanto locomover-se. Quero dizer, é perfeitamente possível caminhar entre uma praia e outra (apesar das colinas), sobretudo se você não tiver crianças. No entanto, ter uma bicicleta facilitaria muito. Só que, na ilha não alugam bicicletas e quase não existem carros. O que usa para locomover-se são carrinhos “de Golf”, e você pode alugá-los por dia, caso queira…

E como uma imagem vale mais que mil palavras, seguem algumas fotos do lugar…

c6 c5 c4 c3 C2

Fotos por Anderson Alves. Ilha Contadora. Las Perlas, Panamá.
Fotos por Anderson Alves. Ilha Contadora. Las Perlas, Panamá.

Serviço:

Como Chegar

Onde Comer

  • Casa Tortuga
  • Rincon Hot Stone
  • Manabi Restaurant
  • Gerald`s
  • Clarita
  • Romantico

Onde se Hospedar (Pousadas)

  • Contadora Island Inn
  • Gerald’s BB
  • The Point Resort
  • Perla Real Inn
  • Casa del Sol Isla Contadora
  • Villa Romantica
  • El Remanso
  • Hibiscus House B&B

Onde se Hospedar (Casas)

  • Villa Presili
  • Villa Galdana
  • Villa Binibeca

Cerro Ancón, a melhor vista da Cidade do Panamá.

Iniciando o ano com mais um post sobre pontos turísticos na Cidade do Panamá. Dessa vez trago para vocês um pouco do Cerro Ancón, a montanha mais alta dentro da Cidade do Panamá, um lugar bacana para ter uma vista estupenda da cidade e tirar fotos legais para seu Facebook ou Instagram.

A história do Cerro Ancón vem direto da Wikipedia:

Foto oficial desde o Cerro Ancón. Fonte> Cerro Ancón.
Foto oficial desde o Cerro Ancón. Fonte> Cerro Ancón.

O Cerro Ancón é uma elevação de 199 m localizada na Cidade do Panamá, Panamá, e faz parte de Ancón. Ele estava sob a jurisdição dos Estados Unidos como parte da Zona do Canal do Panamá, por grande parte do século XX. Embora esteja situado próximo à cidade do Panamá, não é uma área urbanizada.

Nas menores inclinações estão algumas residências que fazem parte da cidade de Balboa e o antigo Hospital Gorgas, que agora abriga o Hospital do Câncer e o Supremo Tribunal. Nas áreas mais elevadas está a antiga residência do governador da Zona do Canal, e Quarry Heights, antiga localização do Comando Sul. O nome de Heights Quarry vem da antiga pedreira que é visível a partir de um lado da colina. Cerro Ancón tem um bunker subterrâneo abandonado, que pertencia ao Comando Sul.

Dado o seu desenvolvimento limitado, este aumento se tornou uma “ilha” coberta de bosques em uma área urbana, onde algumas espécies selvagens, como preguiças, tatus, quatis e veados podem ser apreciados, pois esta área é uma área protegida.

Desde 1977, com os Tratados Torrijos-Carter, o Panamá recuperou o controle do Cerro Ancón e uma de suas primeiras ações foi içar uma bandeira no topo da colina, como um símbolo da afirmação da ex-Zona do Canal como território do Panamá.

Como subir o Cerro Ancón:

Acesso ao Cerro por carro.
Acesso ao Cerro por carro.
  • Por carro: entrando pela Calle Gorgas na entrada do bairro residencial de Ancón, basta seguir as placas até o pé da montanha. De lá há uma estrada de mão única controlada pelo guarda que deixa os carros passarem de maneira controlada (entrada de carro permitida somente até as 15h). Este caminho é legal para conhecer o antigo bairro construído pelos estadunidenses em arquitetura tropical militar, seus casarios de madeira antigo num conceito de Cidade Jardim integrada na natureza dos seus bosques, e também apreciar as grandes construcoes militares que um dia foram centros de comandos e bunkers, hoje ocupadas pelas diversas instituições do Governo do Panamá.
  • Acesso ao Cerro a pé
  • A pé: desde a Quarry Heights Road, entrando pelo Centro Cultural “Mi Pueblito Antillano” (mostra de ruas e casas de madeira com toque crioulos de telhas e barros, o famoso Museu de la Pollera, uma barbearia, uma casa rural, e outra campestre, além de restaurantes de comida típica panamenha.), é uma rota que dura de 30 a 40 minutos de subida entre o bosque seco do Cerro, ideal para desfrutar a natureza e os animais do local.

E como uma imagem vale mais do que mil palavras, vos deixo com algumas fotos tiradas por mim lá do alto do Cerro Ancón!

Fotos tiradas desde o topo do Cerro Ancón, por Anderson Alves. dopanamapromundo.wordpress.com
Fotos tiradas desde o topo do Cerro Ancón, por Anderson Alves. dopanamapromundo.wordpress.com

C5 C2 C4 C3 C6

Burger & Gastronomia: as melhores semanas no Panamá!

Passando para uma dica rápida para você, nobre companheiro(a) viajante, que não deixa de aproveitar as sensações gastronômicas durante sua viagem, aproveita sua estada na Cidade do Panamá para dois eventos gastronômicos muito legais:

Burger "Preñada" do Rest. Salsipuedes, Hotel Bristol.
Burger “Preñada” do Rest. Salsipuedes, Hotel Bristol.

1) Panamá Burger Week, de 1 a 10 de Junho de 2014

Uma coisa que os Panamenses aprenderem bem com os estadunidenses é a paixão pelo hamburguer (hamburguesa em espanhol). Aqui o que não faltam são hamburguerias e em quase todo restaurante existe opções de hamburger. O bom é que a maioria se trata mesmo de hamburguerias – como se diz aí no Brasil – “gourmet”, mas com um preço muito mais justo do que se cobra no Brasil! O máximo que se paga é USD 12,00 em um super burger com batatas fritas totalmente caseiras! Abaixo você encontra a lista preliminar dos restaurantes que participarão (lista a ser atualizada no site do Evento):

  • Humo
  • Lounge 858  (Hotel Bristol)
  • Ciao (Hard Rock Hotel)
  • Tauro (Hard Rock Hotel)
  • Camila
  • Onza Steakhouse (em frente ao Hotel Holiday inn Express)
  • Brickhouse (Calle Uruguay)
  • Brio Brasserie (Hotel Waldorf Astoria)
  • El Sitio del Casco (Casco Antiguo)
  • Urbanos Bar

 

Panamá Gastronomica 2013. foto por http://muchogustoperu.blogspot.com/

2) Feira Panamá Gastronômica 2014, de 29 a 31 de Agosto

Esta é uma Feira já tradicional no Panamá que traz atraçoes internacionais e é uma referência para muitos países da América Central. Ai se encontram Chefes centro-americanos renomados, restaurantes panamenses e empresas fornecedoras de gêneros alimentícios.

Acontecem várias degustaçoes e aulas ao vivo. Ano passado (2013) teve inclusive a ilustre presença do Chef Peruano Gastón Acúrio.

Entao, bom apetite! Buen provecho!

Passeio de 1 dia en Colón: Eclusas de Gatún, Forte San Lorenzo e Comida Criola

Entrada da Eclusa de Gatún. Foto por Anderson Alves
Entrada da Eclusa de Gatún. Foto por Anderson Alves

Aproveitando o feriadão de carnaval e a cidade vazia, coloquei a família no carro e fomos para a província de Colón para aproveitar o dia (tirando proveito de que essa zona no carnaval fica vazia, já que todos vão curtir o carnaval em Penonomé e Las Tablas). Assim, deixo para vocês um relato de um passeio legal, estilo “bate-e-volta” de um dia, tanto para quem está na Cidade do Panamá e quer “atravessar o país de um oceano a outro = 68km!” ou para quem desembarcou de um cruzeiro em Colón e quer fugir um pouco das compras…

Colón

Como disse, esse passeio é pra ser feito na Provincía de Colón – e não na Cidade de Colón (que é meio perigosa), mais exatamente no seu lado Oeste, ao redor da zona do Canal do Panamá. Para mais informações gerais de Colón, leia este post.

Carro alugado, táxi ou transfer turístico?

Bem, isso vai depender do seu gosto. Eu, pessoalmente, escolheria alugar um carro para ter mais liberdade e flexibilidade com o itinerário. Se decidir por táxi, procure algum referenciado preferencialmente por meio de seu Hotel. Apoio de uma agência turística é sempre o mais seguro, mas normalmente o mais caro e mais inflexível.

Itinerário

 

Agora vamos ao itinerário:

  1. Eclusas de Gatún (USD 5,00 por pessoa);
  2. Mirador das obras de expansão do Canal (gratuito);
  3. Cruzamos a ponte inferior do Canal (gratuito);
  4. Entramos no antigo Forte Americano Sherman e almoçamos na Marina Shelter Bay (cerca de USD 12,00-15,00 por prato)
  5. Entramos no Parque San Lorenzo (USD 5,00 por pessoa) e visitamos as ruínas do Forte espanhol de San Lorenzo, que guardava a entrada do Panamá.
Mapa de localizacao. Por Anderson Alves, based on Google Maps.
Mapa de localizacao. Por Anderson Alves, based on Google Maps.

 

Detalhes

  • Eclusas da Gatún: é o primeiro jogo de Eclusas pelo lado Atlântico (Caribe). Ok, você pode pensar: “mas a Miraflores é dentro da Cidade do Panamá, e se eu vi uma, eu vi todas, pois elas operam igual…” Bem, é verdade que elas operam igual, mas o legal das Eclusas de Gatún é que o deck de observação fica muito, mas muito perto do navio, fato que te dá uma impressão muito maior da dimensão que é o Canal, dos navios, da obra de construção na época e da logística envolvida para fazer tudo funcionar… Realmente é incrível! Além disso tem antigos equipamentos em exposição no local, como um antigo sistema de engrenagens usado para abrir e fechar as comportas do Canal e os carrinhos usados para rebocar e estabilizar os navios durante sua travessia.

DSCF5204DSCF5209

Os navios na Eclusa de Gatún, muito mais perto que em Miraflores. Foto por Anderson Alves
Os navios na Eclusa de Gatún, muito mais perto que em Miraflores. Foto por Anderson Alves
Engranagem dos 1960 usada na abertura das comportas, gigante! Foto por Anderson Alves
Engranagem dos 1960 usada na abertura das comportas, gigante! Foto por Anderson Alves
  • Mirador das obras de expansão do Canal: esse é um passeio que tem data para acabar: 2015 (então corra!). Pouca gente sabe, mas o Canal do Panamá está passando por obras de expansão, estão construindo novos jogos de eclusas que possibilitarão navios de maior calado transitar pelo Canal. Essa é uma oportunidade única, ÚNICA, para ver de perto a grandiosidade e a engenharia necessária para uma obra tão grande e tão importante para todo o mundo antes que as obras terminem e todo o local fique debaixo d´água! Para se ter uma idéia, cada comporta da nova eclusa tem o tamanho de um prédio de 14 andares!
Obras de expansão do Canal. Corra, pois após 2015, tudo isso vai estar debaixo d´água!

 

  • Cruzando o canal pela Eclusa de Gatún: sim, um gesto simples, realizado dentro do carro, mas de certa maneira, impressionante! Também pouca gente sabe, mas atualmente existe uma pequena ponte móvel localizado logo antes da primeira comporta da eclusa, no nível mais baixo da comporta. Assim os carros podem passar de um lado pro outro justo “atrás” ou “debaixo” da comporta. Esse simples ato de cruzar a comporta te dá uma idéia de como é grande o canal… É muito legal de ver… Aproveite também, pois assim que as novas eclusas forem inauguradas em 2015, provavelmente esse caminho escondido será fechado… Então, quem passou, passou…
Início do cruzamento por carro.
Início do cruzamento por carro.
A comportas de Gatún vistas "de baixo"
A comportas de Gatún vistas “de baixo”
Fila de carros para passar..
Fila de carros para passar..
  • Almoço na Shelter Bay Marina: Shelter Bay é um Hotel/Marina que fica dentro da antiga base Sherman (operada pelos Estados Unidos até 1990). Ele funciona como marina para barcos, iates e catamaras que estão de passeio pelo Caribe, além de ponto de reabastecimento e descanso. Além disso, há um restaurante muito legal (simples e informal) de comida típica caribenha criola. Vale a pena passar ai para almoçar e provar a culinária criola caribenha, mas tenha paciência, pois o serviço dos garçons não é dos melhores!
Shelter Bay Marina, dentro do antigo Forte Sherman
Shelter Bay Marina, dentro do antigo Forte Sherman
Shelter Bay Marina
Shelter Bay Marina

Peixe grelhado em crosta de amendoim ao molho de abacaxi e coentro con arroz de côco... Mais caribenho e criolo nao há, acompanhado de uma cerveja Panamá.
Peixe grelhado em crosta de amendoim ao molho de abacaxi e coentro con arroz de côco… Mais caribenho e criolo nao há, acompanhado de uma cerveja Panamá.

 

  • Parque Nacional San Lorenzo / Forte de San Lorenzo: O parque San Lorenzo é um pequeno oásis tropical, lar de 12 ecossistemas e muitas cachoeiras além de algumas praias, ele é muito famoso pela rica fauna, e muitas pessoas vao ai fazer tours de observação de pássaros. No entanto, se você não quer usufruir destes apelos naturais, vale ir direto para o Forte de San Lorenzo, um dos dois Fortes espanhóis que ainda estao (relativamente) de pé na província de Colón. Interessante para conhecer como os espanhóis protegiam a entrada caribenha do Panamá e tirar algumas fotos…

DSCF5302 DSCF5288 DSCF5287DSCF5291

E fim do passeio! Espero que tenham gostado!

Serviço:

  • A partir da Cidade do Panamá: pegue a estrada (carretera) Panamá-Colón (pedagiada, total de USD 10,00 ida e volta). Na entrada de Colón vire à esquerda, no balao, e logo à esquerda (ao lado do viaduto) na placa “Forte Davis”. Siga as placas para a Eclusa de Gatún. Cruze a eclusa e siga as placas para Shelter Bay e depois San Lorenzo.
  • A partir do Porto de Passageiros de Colón:  pegue a via principal no sentido da saída de Colón (rumo à Cidade do Panamá), logo na saída haverá um viaduto em construção, tome a rua à direita seguindo a placa para “Forte Davis”. Siga as placas para a Eclusa de Gatún. Cruze a eclusa e siga as placas para Shelter Bay e depois San Lorenzo.

 

Isla Taboga: praia, frutos do mar, tranquilidade e… Baleias!

Hoje compartilho com vocês o artigo publicado no UOL da reporter Freda Moon (New York Times) sobre uma dica de passeio bate-e-volta (que dá pra fazer em um dia, a partir da Cidade do Panamá) para Ilha (Isla) Taboga.

A Isla Taboga também é conhecida como “Ilha das Flores”. É uma pequena ilha localizada na Baía do Panamá (lado Pacífico) que já foi conhecida como o lugar de veraneiro dos panamenhos ricos.

A ilha é muito pequena, não existem carros alí, e a vida passa devagar: o mar é azul turquesa (como no Caribe) e tem clima tranquilo. Além de poder fazer trekking, curtir a praia e a culinária com base em frutos do mar, Taboga é famosa por ser uma área de reproducão de baleias, assim que o período de Junho/Julho/Agosto você pode aproveitar e fazer um tour de avistamento de baleias pela região…

Site Oficial: http://www.taboga.panamanow.com/

Ballenas en Isla Taboga. Fonte http://www.islatabogapanama.com/

Continuar lendo Isla Taboga: praia, frutos do mar, tranquilidade e… Baleias!

Colón e sua Zona de Livre Comércio

Colón, Google Maps

A Cidade de Colón fica na Província de Colón, ao norte da Província do Panamá e é a principal cidade daquela Província. Colón já foi uma região muito importante no país: era por onde se dava a entrada/saída do Caribe:  os espanhóis despachavam o ouro e outras riquezas para Espanha a partir de Colón, riquezas estas que eram trazidas das suas colônias do Pacífico e entravam via Cidade do Panamá (pacífico), cruzando os 8Okm do istmo por terra.

Mais adiante, após a independência da Espanha e da separação da Colômbia, A cidade de Colón foi oficialmente fundada em 1850, por ter ainda certa importância geográfica, enquanto os EUA construíram e controlavam o Canal. Quase toda a zona ao redor do Canal até o porto de Colón era una zona militarizada dos EUA, e a economia local girava em torno do exército e os serviços prestados para os militares e suas famílias.

Colón, Porto de Colón e Zona Livre ao Fundo. Foto por: http://turismoprovinciadecolon.blogspot.com/

Já um pouco antes da devolução do controle do Canal pelos EUA aos Panamenhos, a Colón começou e perder importância política e econômica, quando culminou a queda com a saída das tropas dos EUA em 1999, aí a cidade mergulhou num período de pobreza e violência.

Assim, apesar da rica arquitetura e da importância histórica, a cidade de Colón infelizmente recebe pouca atenção. Devido às condições de pobreza, violência e falta de estrutura turística, não é muito recomendável passear pela cidade. Atualmente está se iniciando um movimento importante de navios de cruzeiro que viajam pelo sul do Caribe partindo de Colón, talvez este seja um importante estopim para facilitar investimento e melhorar a estrutura e economia da cidade: torceremos por isso!

Forte de Portobelo, Colón. Foto por: http://turismoprovinciadecolon.blogspot.com/

Turismo na Província de Colón:

Sendo a porta de entrada e saída do Caribe, Colón tem uma importante mistura de etnias e culturas, principalmente da cultura negra, devido à imigração de escravos libertos ou fugidos das ilhas do Caribe (Colón tem a maior população negra do Panamá) para trabalhar na construção do Canal, misturando-se aí a cultura africana e hispânica (além da indígena) e línguas como espanhol, inglês, francês e o papiamento.

Apesar da Cidade de Colón ter pouca (ou nenhuma) estrutura turística, a Província de Colón ainda trás importantes atrativos, como:

Trem Panamá-Colón. Foto por http://www.guiaenpanama.com

Cruzeiros pelo Sul do Caribe

Estão se (re)iniciando, agora, uma onda de cruzeiros pelo sul do Caribe (alguns chegando até Miami) saindo do Porto de Colón 2000, na cidade de Colón. Assim há muitos brasileiros que vem ao Panamá por avião para seguir o cruzeiro. Neste caso, você tem duas opções de transporte/hospedagem locais:

 

  • Hospedar-se Cidade do Panamá: caso queira aproveitar um par de dias para visitar a Cidade e fazer compras, a melhor opção é se hospedar na Cidade do Panamá, hotéis não faltam aqui. A distância entre a Cidade do Panamá e Colón é de 80km (ou 1h de viagem), que pode ser feita:
  1. Trem – saindo da estação de trem de Albrook-Las Cardenas vai direto pro porto Colón 2000, passando por dentro do Canal.
  2. Ônibus – saindo do Terminal Albrook, é o meio mais barato, mas te deixa dentro da cidade de Colón, tem que tomar outro táxi para ir até o porto.
  3. Taxi – meio mais caro, a ser negociado na sua chegada no Panamá
  4. Shuttle – também caro, a ser contratado com alguma empresa de turismo ou hotel local.

 

  • Hospedar-se na Cidade de Colón: dentro da cidade não há hotéis turísticos. A melhor opção é ficar em um dos resorts que ficam ao redor da cidade de Colón, onde muitos turistas de negócios ficam, e contratar um shuttle (ou taxi) to Hotel até o porto:
  1. Hotel Meliá Panamá Canal
  2. Four Points by Sheraton Colón
  3. Radisson Colón 2000 Hotel & Casino

Zona Livre de Colón: compras

Em 1948 foi criada a Zona Livre de Colón, o entreposto comercial mais importante das Américas. A Zona Livre é servida por 3 portos super modernos, os mais importantes do Caribe. Mas fazer compras em Colón não é tão mamão-com-açúcar como se pensa:

  • A Zona Livre é uma área comercial para vendas no Atacado. Assim se obtém um preço baixo ao se negociar uma grande quantidade de itens;
  • A Zona Livre é destinada às empresas e compradores atacadistas. Turistas, em principio, tem entrada restrita. Claro que muitos entram, mas prepare-se para ficar a margem da lei e ter que pagar um “cafezinho” para a segurança;
  • Uma vez dentro da Zona Livre é uma loucura, é uma cidade murada feita só de lojas, e muitas lojas não vendem no varejo. Então ou você sai à caça das lojas que vendem em varejo (perdendo tempo precioso), ou contrata um guia para te ajudar na sua busca;
  • Ao encontrar a loja de varejo, muito provavelmente a diferença de preço não vai ser tão grande (se comparada à Cidade do Panamá, uma média entre 10 a 15% a menos, e alguma promoção pode te dar uns 25% de desconto);
  • Da mesma forma, não se deveria poder sair com itens comprados da Zona Livre. Ao sair da Zona a pessoa tem que pagar imposto. O correto é: ao se comprar, a loja que vendeu se encarrega de enviar a mercadoria para o Brasil (se for por atacado) ou ao Porto/Aeroporto (se por varejo). Assim, sair com sacolas grande dali é arriscado e, mais uma vez, vão te pedir o famoso “cafezinho” para facilitar as coisas; e
  • A partir de Agosto de 2014, está proibido vender a Varejo na Zona Livre de Colón. Saiba mais aqui.
  • Por fim, a Zona Livre funciona somente de Segunda a Sexta, em horário comercial.
Zona Livre, por http://www.panamaamerica.com.pa
Zona Livre, Fonte: Laprensa.com
Zona Livre, fonte: Laprensa.com

O Clima do Panamá

A primeira coisa ao se planejar qualquer viagem é conhecer o clima do seu destino, por isso, para fugir um pouco do be-a-bá climato-geográfico, também lhes faco uma análise prática do clima no Panamá.

Oficialmente, o clima do Panamá é o do tipo tropical úmido, com uma época chuvosa muito extensa (Maio a Janeiro)  com precipitações que variam de 1,300 a 3,000 mm, e uma época seca curta (Janeiro a Maio). As temperaturas médias de 24oC a 29oC com picos de 32oC.

Na prática, o que você vai encontrar, principalmente na Cidade do Panamá, é:

  • de Janeiro a Maio: Muito sol, calor e umidade relativamente baixa (tipo, minimo 70%)
  • de Maio a Janeiro: Muita chuva, calor e mais umidade ainda (90-95%)
Um lindo dia ensolarado de verão. Foto por Anderson Alves, Casco Viejo.
Um lindo dia ensolarado de verão. Foto por Anderson Alves, Casco Viejo.

Na época chuvosa normalmente o dia nasce claro, com sol bonito e forte e, do nada, por volta das 11 da manha o tempo vira, o céu fecha e é sempre seguro que vai chover a tarde. Só que normalmente as chuvas não se estendem por mais que 1 hora, depois cessam, pode voltar a chover algumas pancadas em áreas isoladas, e o dia fica cinzento (muitas nuvens). Assim que se você quer vir ao Panamá só para conhecer o Canal e fazer compras, não deve sofrer muito com as chuvas nesse período.

O destaque fica por conta nos meses de Outubro e Novembro, de maior intensidade de chuvas, normalmente caem pancadas muito fortes de inundam vários pontos da cidade. Em 2011, por exemplo, choveu tanto que as águas contaminaram as plantas de tratamento de água potável e a cidade teve 1 semana de racionamento de água. Isso é muito ruim pros residentes, pois normalmente as áreas turísticas são muito pouco afetadas, passou a chuva, as coisas voltam ao normal, a não ser por algum reflexo (reação em cadeira) no transito.

No mais, o Panamá não está na zona de furacões, então não há muito perigo de ter um tsunami por aqui…

Agora, se você realmente quer aproveitar o dia, passear bastante, visitar locais e praias, então programa-se para vir entre Janeiro e Maio, o “verão” panamenho, onde faz bastante calor e não chove.

Olha ai, o tempo fechando em plena época de chuvas, Outubro de 2013, por volta do meio dia. Foto por Anderson Alves
Olha ai, o tempo fechando em plena época de chuvas vindo do Oceano Pacìfico, Outubro de 2013, por volta do meio dia. Foto por Anderson Alves
Rua residencial inundada, chuvas de Novembro. Fonte: Jornal La Prensa.

Exceções:

  • Caribe: normalmente chove de maneira mais constante (com pancadas curtas) no Caribe.
  • O lado Pacífico recebe menos chuvas que o Caribe;
  • A zona das praias Blanca e Farrallòn (onde estão os resorts) è reconhecidamente um “cinturão seco”, onde se chove muito pouco, assim mesmo que você veja aquelas nuvens pesadas ao fundo, provavelmente a chuva não vai cair nesta zona…
  • As áreas de montanha: El Valle, Boquete e Cerro Punto, tem temperatura mais moderada (máxima 26oC) e chove bastante também.

 

Boquete, no Panamá

Ah há: pegadinha do malandro!

Aposto que você já clicou neste post com uma mente suja, não? Pois para sua (in)felicidade, Boquete, no Panamá, não significa nada disso que você pensa. Em tradução literal, “boquete”, em espanhol, significa “lacuna” ou “abertura”. No nosso caso, lhes apresentarei a Cidade de Boquete, no Panamá!

Na verdade, Boquete nada mais é que um vilarejo localizado nas chamadas “Tierras Altas de Panamá”. Fica na província de Chiriquí, muito próximo à fronteira com a Costa Rica. É chamado de “terras altas” porque fica localizado na região montanhosa que circunda o vulcão inativo chamado “Barú”.

Boquete, no Ponto A, muito perto da Costa Rica
Boquete, no Ponto A, muito perto da Costa Rica
Boquete, vista do alto. Fonte:  http://travelsofbutchnbunny.wordpress.com
Boquete, vista do alto. Fonte: http://travelsofbutchnbunny.wordpress.com
Rua principal de Boquete. Foto por Anderson Alves
Rua principal de Boquete. Foto por Anderson Alves

Boquete é consolidada uma região tranquila, destino de vários americanos e europeus que vem para o Panamá para se aposentar. Um local com muito verde, florido, que lembra (guardadas as devidas proporções) um pouco Gramado ou Canela, nas serras gaúchas.

Além disso, a região de Boquete é famosa por suas plantações de café em altitude, tipo “café gourmet” mundialmente conhecidos e exportados para vários países, e perto da comarca indígena dos Ngöbe-Buglé, ficando há cerca de 500km (6 horas de carro ou 50 minutos de avião) da Cidade do Panamá.

Apesar da aparente monotonia descrita acima, Boquete é uma região turística muito importante do interior do Panamá. O chamariz mais importante é o próprio vulcão Barú: se pode fazer 3 tipos de “subida” ao seu topo:

  • Caminhada: começando à meia noite, leva-se 6 horas de caminhada e ao chegar ao topo se pode ver o amanhecer tocando ambos os oceanos: Pacífico e Atlântico (Caribe)
  • De 4×4: leva menos tempo, e se vai de camioneta;
  • De quadriciclos: nesse caso, cada um pilota seu, seguindo um guia.

Veja a vista do alto do Barú registrada por Vitor Caramelo: http://www.youtube.com/watch?v=-RU_nukkXNM

Além do vulcão,Boquete tem uma ampla gama de esportes, agro-turismo e ecoturismo para vários gostos:

  • Rafting pelo Rio Chiriquí;
  • Arvorismo;
  • Caminhadas (trekking) diversas, sendo a mais importante a dos “Los Quetzales” (Quetzal uma das aves símbolo do Panamá).
  • Plantações de Café: onde você pode visitar uma fazenda de “café de altura”, conhecer a plantação e como é processado o café;
  • Escaladas e Cachoeiras;
  • Feira das Flores: Boquete também é um produtor de flores e todo ano há disputas pelo jardim mais bonito da cidade;
  • Morangos: pela sua posição e altitude, a colheita de morango acontece durante todo ano, e aqui se preparam morangos de todo jeito: sucos, milk shakes, bolos, batidos, com chantilly e assim vai.
  • Spas: vários hotéis-spa oferecem serviços para seu deleite…
  • Gastronomia: Boquete também oferece gastronomia local e internacional a um preço baixo.
  • Fotografia: Boquete oferece boas locações para você exercer seus dons fotográficos…
Boquete. Foto por Anderson Alves
Boquete. Foto por Anderson Alves
Boquete e uma de suas estradinhas floridas. Foto por Anderson Alves
Boquete e uma de suas estradinhas floridas. Foto por Anderson Alves
Boquete e seus jardins. Foto por Anderson Alves
Boquete e seus jardins. Foto por Anderson Alves

20120616_094727 20120616_110154 20120616_113757

Tour e degustação do Café de Altura, Finca Lérida - Boquete. Foto por Anderson Alves
Tour e degustação do Café de Altura, Finca Lérida – Boquete. Foto por Anderson Alves

Serviço:

Como chegar

  • De carro, saindo da Cidade do Panamá pela Rodovia Panamericana sentido Cidade de David, na entrada de David, tomar a direita seguindo as placas;
  • De ônibus, a partir do Terminal Albrook, tomar o ônibus para David, e depois outro ônibus para Boquete;
  • De avião, saindo do Aeroporto Marcos A. Gelabert (Albrook) na Cidade do Panamá para a Cidade de David, depois de táxi, transfer ou ônibus até Boquete.

Onde Se Hospedar

 

Gastronomia: uma menção especial para a gastronomia local, pois Boquete tem bons restaurantes para quem gosta de unir o útil ao agradável durante uma viagem:

  • Restaurante Monique, Finca Lérida: internacional, fica dentro da Finca Lérida e tem um terraço com uma grande vista do vale. Destaque para os raviólis de cogumelo portobello e o flan de cafè. Vale a pena provar o risoto de “tomate de árbol” fruta típica do lugar.

20120615_170130

Finca Lérida, Boquete. Foto por Anderson Alves
Finca Lérida, Boquete. Foto por Anderson Alves
Parada para o café à 1.800m de altitude... Finca Lérida, Boquete. Foto por Anderson Alves
Parada para o café à 1.800m de altitude… Finca Lérida, Boquete. Foto por Anderson Alves
Raviolis de Portobello. Restaurante Monique, Finca Lérida, Boquete. Foto por Anderson Alves
Raviolis de Portobello. Restaurante Monique, Finca Lérida, Boquete. Foto por Anderson Alves
Salda de Truta Defumada,  Restaurante Monique, Finca Lérida, Boquete. Foto por Anderson Alves
Salda de Truta Defumada, Restaurante Monique, Finca Lérida, Boquete. Foto por Anderson Alves
Flan de Café-  Restaurante Monique, Finca Lérida, Boquete. Foto por Anderson Alves
Flan de Café- Restaurante Monique, Finca Lérida, Boquete. Foto por Anderson Alves

 

  • Restaurante do Panamonte Inn: Panamenha & internacional, é comandando por um dos Chefs mais conhecidos do Panamá, tem boas carnes e está dentro do Hotel Panamonte, instalado num antigo casarão que data de 1900.
Restaurante Panamonte. Foto por Anderson Alves
Restaurante Panamonte. Foto por Anderson Alves
Restaurante Panamonte Inn. Foto de Divulgação.
Restaurante Panamonte Inn. Foto de Divulgação.
  • The Rock Restaurant: internacional, justo ao lado do Rio Chiriqui, tem uma grande área verde para aproveitar o clima ameno. Destaque para o brunch dominical.

Camera 360

The Rock Restaurant, o mais bonito. Foto por Anderson Alves
The Rock Restaurant, o mais bonito. Foto por Anderson Alves
Brunch de domingo do the Rock Restaurant, Foto por Anderson Alves
Brunch de domingo do the Rock Restaurant, Foto por Anderson Alves
  • Il Pianista: italiano, comandado por um Italiano que imigrou para a região, tem uma boa pizza, mas a especialidade da casa são as massas.

Camera 360

Massas: especialidade do Il Pianista. Foto por Anderson Alves
Massas: especialidade do Il Pianista. Foto por Anderson Alves

20120616_130614

Restaurante Il Pianista, justo ao lado de um riacho. Mais bucólico não há... Foto por Anderson Alves
Restaurante Il Pianista, justo ao lado de um riacho. Mais bucólico não há… Foto por Anderson Alves

Punta Chame: um Resort, família, de esportes radicais…

 Punta Chame está localizada na península que circunda a Baía de Chame, sendo o lado “de fora” a Playa Chame, banhada pelo oceano Pacífico, e o lado de dentro sendo a Baía. Esse é o tipo de passeio “bate volta” para quem quer ir à praia, a partir da Cidade do Panamá, em 50 minutos, e se contenta com o lado Pacífico, mas não faz muita questão de água salgada…

Punta Chame, ponto C do mapa...
Punta Chame, ponto C do mapa…

Mas, peraí: ” quero ir a praia mas não quero entrar no mar? ”

Explico-lhes: acontece que nesta praia o mar é mais “bravo” e com solavancos profundos (você entra na água e, de repente, fica fundo), e do lado da Baía há muitas águas vivas e arraias. Então você vê pouca gente se banhando.

Mas é aí que mora a diversão: acontece que pela posição da península, adentrando ao mar, venta muito nessa área, principalmente à tarde, e há uma relativamente extensa faixa de areia, fatos que criam as condições ideias para a pratica de Kite Surf, Wind Surf e outros esportes aquáticos que dependem dos ventos.

Pensando neste nicho, Travis Pastana, sua esposa e mais uns sócios abriram em Punta Chame o Nitro City Action Sports Resort, um resort pensando para ser um centro de diversões e de esportes radicais. Aqui você pode ter aulas de Kite Surfe, praticar sua técnica de Wakeboard no lago artificial com cabos mecânicos, andar de skate ou BMX na pista indoor, alugar um jet ski para aproveitar a baía, alugar um quadriciclo para andar na praia, alugar uma moto e praticar motocross na pista especial, praticar pesca esportiva em alto mar, e até pular de pára-quedas aterrissando na praia…

Quando se cansar, claro, você pode andar a cavalo na praia, banhar-se na  piscina com borda infinita, spa e até quartos com banheiras hidromassagem privativas no deck. E os quartos não são nada mal…

180o do NitroCity Resort. Foto por Anderson Alves
180o do NitroCity Resort. Foto por Anderson Alves
Piscina com borda infinita do Nitro City. Foto por Anderson Alves
Piscina com borda infinita do Nitro City. Foto por Anderson Alves
Relaxando com o visual da baía.      Foto por Anderson Alves
Relaxando com o visual da baía. Foto por Anderson Alves

Agora, lendo tudo isso aposto que você está pensando: esse lugar deve ser um eterno Summer Break cheio de adolescentes inconsequentes fanfarreado…  Aí é que você se engana! Lógico que há uma cliente cativa de jovens americanos e europeus que amam sol, o calor dos trópicos e esportes radicais, mas também há muitas famílias com bebês e crianças que vão ao local pela segurança, comodidade e diversão. Eu diria que é 50/50, pois o Resort agrada à Gregos e Troianos.

Caso você não queira ou não consiga um quarto no Nitro City, também pode se hospedar em outro Hotel ou Albergue de Punta Chame e fazer uso das instalações do Nitro City, que cobra um day pass de USD 30,00 por dia por adulto.

Aliás, o resort é também muito frequentado por famílias de residentes da Cidade do Panamá que vão para passar o dia. E para passar o dia em Punta Chame sò tem duas soluções: ou se tem casa no local, ou se usa a estrutura do Resort, pois a praia não tem sequer uma barraquinha para contar história.

Fim de tarde: kite surf começando no Nitro City...     Foto por Anderson Alves
Fim de tarde: kite surf começando no Nitro City… Foto por Anderson Alves
Ah, o Nitro City também é pet friendly...
Ah, o Nitro City também é pet friendly…

Serviço:

Como chegar

– Pela estrada Panamericana, sentido oeste (interior), tomar a esquerda antes da cidade de Chame (haverá uma placa discreta “Punta Chame” e seguir a estradinha de Punta Chame até seu final.

– Melhor maneira é de carro alugado. Os Hotéis podem providenciar transfer desde a Cidade do Panamá.

 

Onde se hospedar:

Nitro City Action Sports Resort – o mais famoso

Hotel Punta Chame Villas – ao lado do Nitro City

Albergue Casa Amarilla – super bem recomendado no TripAdvisor, ótima comida

Punta Chame Club Rentals – mais longe do Nitro City

Casas privadas via AirBnB 

 

Dicas:

Aos domingos o Nitro City oferece brunch (USD 25,00, em 2013) e música ao vivo (rock/pop) na área da piscina…