Arquivo da tag: Praias

Arquipélago de Las Perlas: bate e volta a partir da Cidade do Panamá.

Hoje conto, para vocês, de um passeio legal que dá até para fazer em um dia (estilo “bate e volta”) a partir da Cidade do Panamá, para quem não dispensa uma praia.

O interessante é que se de um estilo “caribenho” mas em pelo Oceano Pacífico: refiro-me ao “famoso” Arquipélago de Las Perlas.

Ok, pode até não ser famoso para você, mas sim, o lugar é um reduto famoso e tradicional da região. Este arquipélago está a cerca de 1h e 40min. de Ferry (ou 40 minutos de avião) da Cidade do Panamá e é composto por mais de 90 ilhas e ilhetas com paisagem paradisíacas de areia branca e água azul-turquesa.

O nome “Las Perlas” (ou Pérolas, em bom português) vem do fato da ilha ter sido quase uma “mina” de pérolas, obviamente, tal riqueza que foi muito explorada pelos espanhóis enquanto Panamá era sua colonia. Conta a história que o Arquipélago era um reduto de veraneio de pessoas muito ricas, incluídos alguns astros de Hollywood. Um fato interessante foi o do Xá Mohammed Reza Pahla, que fugiu do Irã em 1979 levando toda a sua riqueza para as ilhas. Finalmente, em 2003 a TV americana filmou ai os episódios do Reality Show “Survivor”.

Mas deixando as tecnicalidades de lado, vamos ao que interessa: o lugar é muito bonito e legal. Atualmente entre 3 a 4 ilhas tem boa estrutura turística, mas nao espere “resorts”, se trata de muito mais um lugar “de charme relativamente simples” composto por casas de verão (para temporada) e pousadas de vários estilos:

Fonte: las perlas inn
Fonte: las perlas inn

Como podem ver pelo mapa acima, existem inúmeras ilhas, porém as mais famosas sao:

  • Saboga: a primeira no trajeto do ferry, sem aeroporto, tem poucas pousadas. É bem pequena e simpática, ótima para “passar o dia”. (não confundir com “Taboga”, leia aqui…)
  • Contadora: maior que a Saboga, considero que tem a mais variada estrutura turística com um número maior de pousadas e restaurantes. Segunda no trajeto do ferry. tem aeroporto. É lugar de muitas casas de verao e considero a ilha “mais fácil”, explico melhor abaixo…
  • San José: a segunda maior ilha, tem o que é reconhecido uma das melhores pousadas de charme do Panamá: O hotel Hacienda del Mar. A maior parte da ilha é coberta por floresta tropical e conta com 37 praias exclusivas. Curiosidade: durante a ocupação dos EUA, esta ilha era usada como centro de teste de armas químicas. Em 2001 uma auditoria concluiu que o lugar estaria livre de contaminação. Só é possível chegar por avião voando Air Panamá.
  • San Miguel (del Rey): a maior de todas, tem aeroporto, mas não é muito turística pelo fato de estar sob grande desenvolvimento de iniciativas imobiliárias residenciais privadas.
  • Isla Viveros: Esta sim, turística, pode ser acessada por ferry ou avião, Também está sob expansão de projetos residenciais, mas conta com um Resort que parece ser bem legal.

A única ilha que visitei foi a Contadora, por isso faco um relato detalhado abaixo:

Ilha Contadora

É a ilha que começou a ser explorada primeiro, por isso tem uma estrutura já consolidada e, sendo assim, “mais fácil” para o turista. A ilha é composta por umas 7 praias de areia branca e águas mornas, a maioria das praias são pequenas e muitas vezes pode pode até se ver sozinho na praia devido à exclusividade do lugar. Abaixo segue um mapa das praias de Contadora:

Mapa Contadora

Por ser uma ilha pequena e ter todas a vias asfaltadas, é muito fácil localizar-se mas nem tanto locomover-se. Quero dizer, é perfeitamente possível caminhar entre uma praia e outra (apesar das colinas), sobretudo se você não tiver crianças. No entanto, ter uma bicicleta facilitaria muito. Só que, na ilha não alugam bicicletas e quase não existem carros. O que usa para locomover-se são carrinhos “de Golf”, e você pode alugá-los por dia, caso queira…

E como uma imagem vale mais que mil palavras, seguem algumas fotos do lugar…

c6 c5 c4 c3 C2

Fotos por Anderson Alves. Ilha Contadora. Las Perlas, Panamá.
Fotos por Anderson Alves. Ilha Contadora. Las Perlas, Panamá.

Serviço:

Como Chegar

Onde Comer

  • Casa Tortuga
  • Rincon Hot Stone
  • Manabi Restaurant
  • Gerald`s
  • Clarita
  • Romantico

Onde se Hospedar (Pousadas)

  • Contadora Island Inn
  • Gerald’s BB
  • The Point Resort
  • Perla Real Inn
  • Casa del Sol Isla Contadora
  • Villa Romantica
  • El Remanso
  • Hibiscus House B&B

Onde se Hospedar (Casas)

  • Villa Presili
  • Villa Galdana
  • Villa Binibeca

San Blas: um caribe diferente no Panamá

San Blas, divulgação VisitPanama.com
San Blas, divulgação VisitPanama.com

E você ai, achando que já sabia tudo de Caribe, com suas águas azul turquesa mornas e calmas e seus grandes resorts “all inclusive”, refletidos na popularidade de Punta Cana ou St. Marteen, não poderia imaginar que o mundo iria te surpreender mais, não é?

Pois bem, isso vai acontecer agora: eu lhes apresento tão pouco conhecido arquipélago de San Blas, no Panamá!

Li uma vez em um blog que “San Blás é aquele tipo de destino que quando você descobre não quer contar pra ninguém”, e sim, isso é verdade.

O arquipélago de San Blas é uma joia formada de mais ou menos 360 micro ilhas na costa caribenha, que banha o território panamenho. Fica na comarca protegida dos índios Guna Yala. Aqui, muito provavelmente, você pode viver a experiência mais “rústica a autêntica” que você pode encontrar no Caribe.

San Blas (ponto A), hà 2 horas da Cidade do Panamá
San Blas (ponto A), hà 2 horas da Cidade do Panamá

Funciona da seguinte maneira: você pode ir para passar o dia ou se hospedar em uma das cabanas.

São duas horas de carro, a partir da Cidade do Panamá, ou 35 minutos de avião. Entrando na comarca são mais uma 20 minutos até o pequeno porto onde os índios te levam pra ilha que você escolher. Pode-se escolher uma ilha diferente para passar cada dia, pois os índios te levam e buscam na hora marcada.

Em San Blas tudo é rústico. não existem hotéis cinco estrelas nem resorts. As cabanas são de madeira, teto de palha e chão de areia branca. Podem ser individuais, para família ou dividas. É o básico do básico: cama, um mosquiteiro, e só (e para que você precisa mais?). A luz elétrica vem do gerador que é desligado as 21h, e você tem hora marcada para tomar seu banho de água doce.

É all inclusive, sim: você come o que a comunidade indígena pescar: se pescarem camarão, tem camarão. Se pescarem lagosta, tem lagosta, se pescarem peixe, tem peixe! Eles te fornecem as 3 refeições diárias e água doce para beber: café da manha, almoço e jantar, e você pode comprar suas cervejas geladas por USD 1,00 a latinha.

Almoço em San Blas, e ai, prefere McDonalds?
Almoço em San Blas, e ai, prefere McDonalds?

OK, chegamos a este ponto do post e você está ai, desesperado(a), se questionando se “isso lá vale a pena (?)”, mas eu te digo: se seu negócio é comodidade do século 21, ter seu celular com facebook sempre à mão, lanche estilo McDonald’s  e ser paparicado(a) por garçons ao redor da piscina, a qualquer momento, te suprindo de margaritas, então pode parar de ler por aqui…

Agora, se você é aberto(a) a novas experiências, gosta de sossego, da mais pura praia (sem frufru), recarregar as energias e se desconectar do mundo, este é o seu lugar! Pra não dizer que não tem diversão, tem sinuca…

Eu mesmo conheço gente de odiou o lugar, e gente que amou. No saldo, muito mais gente o amou que o odiou 🙂

Feriadão, nesse dia a praia estava absurdamente cheia...
Feriadão, nesse dia a ilha estava absurdamente cheia… Foto por Anderson Alves

San Blas é um local para desapego, costumo dizer. É natureza bruta, indígenas simpáticos, micro ilhas quase privativas, conhecer gente do mundo todo que vai ali atrás deste relax! Mas peraí, esse lugar não é chato, por nada! É aqui e assim que a diversão aparece. Essa é a essência da diversão!

Você pode ir a cada dia à uma ilha diferente, se escaldar nas águas mornas, fazer snorkeling até desbotar, ler todos aqueles seu livros pendentes e não enjoar! O lugar é simplesmente lindo!

Há também que se visitar as ilhas onde os índios vivem. Sim, eles não vivem no continente, mas em ilhas adaptadas como palafitas. É meio estranho, vai te lembrar uma daquelas favelas aquáticas do Recife, mas é a maneira que os índios encontraram de fugir dos mosquitos infectados com malária, pois há anos eles descobriram que os mosquitos não chegam às ilhas.

Um destaque especial é a visita ao “barco hundido” (barco afundado, em espanhol), uma embarcação que naufragou entre as Ilhas Perro e Diablo. A água é tão cristalina que, de snorkel, é possível ver o barco a partir da superfície e toda a vida marinha que cresceu ao seu redor.

Bem, como uma imagem vale mais que mil palavras, lhes deixo com algumas fotos do local para aguçar sua imaginação e te dar vontade de ir a San Blas…

Panorâmica da Ilha onde os índios moram. Foto por Anderson Alves
Panorâmica da Ilha onde os índios moram. Foto por Anderson Alves
Panorâmica, chegada a uma das ilhas, foto por Anderson Alves
Panorâmica, chegada a uma das ilhas, foto por Anderson Alves
Meu tio dando uma de mergulhador profissa..
Meu tio dando uma de mergulhador profissa..
Ilha (quase) deserta. Foto por Anderson Alves
Ilha (quase) deserta. Foto por Anderson Alves
San Blas, Isla Perro. Foto por Anderson Alves
San Blas, Isla Perro. Foto por Anderson Alves
As cabanas privativas do corallodge.com (que fica fora de San Blas, mas faz tours por barco para lá), a que tem melhor estrutura turística.
Interior da cabana no Yandup Lodge, administrado pelos Kuna Yala. Básico, mas resolve…

Serviço:

Como chegar:

  • De carro, pela via Interamericana no sentido sul (Colômbia), tomar a esquerda antes da província de Darién (ver placas) e seguir a única estrada asfaltada;
  • De avião: a partir do aeroporto Marcos A. Gelabert (Albrook).

Hospedagem:

Turismo:

  • Se você domina o espanhol, pode falar diretamente com os indígenas. Eles te buscam no aeroporto ou no Hotel, cuidam de tudo enquanto você estiver lá, e te devolvem aonde você indicar (Contatos: Sr. Milciades ou Sr. Miguel: +507 6635-6737 ou 6656-4673)
  • Caso você não se sinta confiante suficiente, pode contratar uma Agencia de Turismo local para organizar o serviço com os indígenas pra você. (Allegro Tours, Viajes Caribe,  Pesantez Tours, Viajes Marbella, Panama Travel Unlimited, Aventuras 2000, Panama Trails)

Dicas:

  • Leve PASSAPORTE! É necessário apresentá-lo na entrada da Comarca.
  • Tome um cafè da manha leve, no dia da viagem, pois a estrada é muito sinuosa e pode te dar enjoo. Melhor tomar um remédio contra enjoo também…
  • Hoje a estrada já está asfaltada, então esqueça as fotos antigas da internet com a estrada cheia de lama.
  • As diárias nas cabanas incluem as refeições. Cervejas são pagas a parte;
  • Outros serviços são pagos a parte. Para entrar em cada ilha você paga uma taxa que varia de USD 5,00 a 20,00. Para os passeios de barco de 1,0 a 2,00 por pessoa. Então leve dinheiro, de preferência, notas de baixo valor para facilitar.
  • Aluguel de snorkel custa USD 3,00. Mas se você passar pela Cidade do Panamá antes, pode comprar o seu no Albrook Mall bem baratinho (com pé de pato);
  • Leve lanches leves (biscoitos, salgadinhos, barras energéticas, etc.) caso você sinta fome entre uma refeição e outra, dá pra se virar… Se quiser, pode até levar uma caixa térmica cheia de bebida, mas não é preciso pois cerveja gelada não faltam.
  • Deixe seu celular e eletrônicos em casa, pois lá só pega celular por satélite.
  • Se tiver máquina fotográfica subaquática, melhor!
  • Evite os feriadões, pois muitos moradores do Panamá vão para San Blás nos feriados, e do nada você vai ter que dividir sua ilha com umas 15 ou 20 pessoas… Muito chato.
  • Da mesma forma, se for passar o fim de semana ai, de preferência as ilhas mais distantes para ficar mais tranquilo…

O Panamá turístico: além do Canal e das compras!

1Arquipélago de San Blás, Comarca dos Guna Yala. Imagem por visitpanama.com

Muito provavelmente você ouviu falar do Canal do Panamá, e dos shoppings no Panamá… Mas muito pouco se sabe sobre essa “lenda urbana” que é o turismo no Panamá. Por isso vou dar um “overview” do Panamá turístico, espero poder destrinchar um pouquinho mais cada lugar em futuros posts…

Existe uma competição turística na América Central que é dura, muito dura, principalmente para o Panamá, que faz fronteira com Costa Rica, um país rico em biodiversidade e com uma estrutura turística muito mais avançada. Além de todas as ilhas e países da costa caribenha. O fato é que o Panamá esteve por muitos anos sob influencia dos EUA e recentemente tem colhido os louros da pujança econômica do Canal. Mas felizmente o país esta acordando para o potencial turístico e se dando conta que é preciso diversificar as fontes de renda para crescer.

Assim, quem vem ao Panamá já não precisa ficar mais preso ao feijão com arroz que é “Canal e Compras”. O Menu esta aumento, e os panamenhos estão se profissionalizando nisso, e as opções não deixam de ser interessantes:

fotoAproximação da Cidade do Panamá, por avião. Foto por Anderson Alves

(a) Cidade do Panamá: opção básica, a quem tem mais estrutura turística, ótimos hotéis e restaurantes internacionais. a grande quantidade de turistas e expatriados de todo mundo estão transformando a cidade em uma metrópole, aqui você pode:

  • Conhecer o Canal (eclusa de Miraflores);
  • Fazer compras em um dos seus grandes shoppings;
  • Visitar o Casco Antíguo (O “Pelourinho do Panamá”);
  • Ir a uma autentica noite de Salsa;
  • Ir a uma das festas eletrônicas;
  • Exercer seus dotes fotográficos nas ruínas do Panamá Viejo;
  • Comer em um dos vários restaurantes internacionais de alto nível e preço muito mais justo que do Brasil;
  • Aproveitar um dia de Spa em um dos muitos hotéis 5 estrelas da cidade. Ou em Spas locais;
  • Conhecer como os locais passam suas tardes de domingo no Causeway Amador;
  • Subir o Cerro Ancón, conhecer o Pueblito Afroantillano e tirar uma bela foto panorâmica ao lado da bandeira do Panamá;
  • Fazer uma trilha no Parque Metropolitano;
Agua cristalina do Caribe, aqui tem também!
Agua cristalina do Caribe, aqui tem também!

(b) Praias: Só 80 Km separam o Oceano Pacífico do Mar do Caribe (e o Oceano Atlântico), e em 4 horas de carro você pode sair de uma paradisíaca ilha quase privativa do Caribe (San Blas) para um Resort de Luxo all inclusive no Pacífico. Mar e praia é o que não falta aqui, mas não espere encontrar barracas de praia como as que permeiam a costa do nordeste brasileiro…Caribe,

No Caribe:

  • San Blas (Comarca dos Índios Guna Yala): há 2:30 horas de carro da Cidade do Panamá,rumo ao sul.
  • Bocas del Toro: há 50 minutos de aviao da Cidade, rumo ao norte (perto da fronteira com Costa Rica).
  • Portobelo: praia ao redor do antigo forte que guardava o país.
  • Isla Mamey: um paraíso privado caribenho.
  • Isla Grande: 61km2 há apenas 1 hora do Panamá.

No Pacífico:

  • Islas Contadora e Saboga: o Caribe do lado pacífico.
  • Isla Taboga: para ver as baleias em Julho e Agosto.
  • Playa Bonita: há 40km da Cidade, a praia não é a melhor para banho, mas tem resorts…
  • Punta Chame: Nitro City Resort, resort de esportes radicais para fazer pesca marinha, ter aulas de kite e wind surf e alugar jet skis para curtir o dia. Ótima piscina com brunch e show de rock aos domingos.
  • Santa Clara (San Carlos) e Gorgona: as praias onde os Panamenhos vão.
  • Playa Banca: o centro dos resorts all inclusive e campos de golfe.
  • Las Tablas: centro carnavalesco do Panamá.
  • Las Lajas, Santa Catalina e Playa Venao: onde se realizam os campeonatos internacionais de surf.

DSCF3798Casamento com vistas ao vale, El Valle de Antón. Foto por Anderson Alves

(c) Interior: o interior do Panamá é muito rico e bonito! A vida passa devagar, a natureza é linda, a agropecuária é forte. Aqui as opções são diferenciadas, pra quem quer fugir das praias.

  • Gamboa Rainforest Resort: Resort as margens do canal, em meio a floresta tropical, lugar para ver os bichos e relaxar.
  • El Valle de Antón: paraíso dos panamenhos, onde muitos tem sua casa de campo. A cidade foi construída na cratera de um vulcão milenar desativado. Clima é ameno, seco. Muito verde, a vida passa devagar e tem alguns dos melhores restaurantes do país.
  • Boquete (isso mesmo, Boquete): paraíso dos aposentados, ao pé do Vulcão Barú, com temperatura amena, rica pelas plantações de café gourmet e esportes radicais.

Enfim, há mais no Panamá do que os olhos alcançam. Boa viagem!