Arquivo da categoria: Turismo no Panamá

Museu da Biodiversidade: passeio obrigatório na Cidade do Panamá

Por fim, após anos de construção, em Dezembro de 2014 foi inaugurado o Museu da Biodiversidade do Panamá (www.biomuseopanama.org) .

Este museu foi desenhado pelo aclamado arquiteto Frank Gehry, o mesmo que desenhou o Museu Guggenheim de Bilbao, sendo realmente uma obra arquitetônica impactante, mas que foi bastante critica por ter sido feita sem levar em consideração aspectos locais da tropicalidade do Panamá (ex.: há muitos pontos de infiltração que ficam aparentes na época chuvosa).

Detalhes a parte, a mensagem deste post é uma só: apesar da pouca idade, o Biomuseu já é um passeio obrigatório na Cidade do Panamá!

O Biomuseu está localizado na Calcada Amador (Amador Causeway), um local de fácil acesso e outros pontos de interesse que já narrei nesta postagem aqui. Portanto, dá perfeitamente para fazer essa visita (reserva pelo menos meio dia para ficar no museu).

Mas por que o Biomuseu é legal e importante?

Porque ele “…os conta uma história igualmente extraordinária: a do surgimento do istmo de Panamá e como ele mudou o mundo. (,..)A ideia fundamental do Biomuseo é sermos mais conscientes do nosso papel no mundo, a partir de uma reflexão continua em torno da biodiversidade.” Fonte: visitpanama.com

E como uma imagem vale mais do que mil palavras, lhes deixo com as fotos abaixo.

Foto por: Anderson Alves
Foto por: Anderson Alves
Foto por: Anderson Alves
Foto por: Anderson Alves
Foto por: Anderson Alves
Foto por: Anderson Alves
Foto por: Anderson Alves
Foto por: Anderson Alves 

Cerro Ancón, a melhor vista da Cidade do Panamá.

Iniciando o ano com mais um post sobre pontos turísticos na Cidade do Panamá. Dessa vez trago para vocês um pouco do Cerro Ancón, a montanha mais alta dentro da Cidade do Panamá, um lugar bacana para ter uma vista estupenda da cidade e tirar fotos legais para seu Facebook ou Instagram.

A história do Cerro Ancón vem direto da Wikipedia:

Foto oficial desde o Cerro Ancón. Fonte> Cerro Ancón.
Foto oficial desde o Cerro Ancón. Fonte> Cerro Ancón.

O Cerro Ancón é uma elevação de 199 m localizada na Cidade do Panamá, Panamá, e faz parte de Ancón. Ele estava sob a jurisdição dos Estados Unidos como parte da Zona do Canal do Panamá, por grande parte do século XX. Embora esteja situado próximo à cidade do Panamá, não é uma área urbanizada.

Nas menores inclinações estão algumas residências que fazem parte da cidade de Balboa e o antigo Hospital Gorgas, que agora abriga o Hospital do Câncer e o Supremo Tribunal. Nas áreas mais elevadas está a antiga residência do governador da Zona do Canal, e Quarry Heights, antiga localização do Comando Sul. O nome de Heights Quarry vem da antiga pedreira que é visível a partir de um lado da colina. Cerro Ancón tem um bunker subterrâneo abandonado, que pertencia ao Comando Sul.

Dado o seu desenvolvimento limitado, este aumento se tornou uma “ilha” coberta de bosques em uma área urbana, onde algumas espécies selvagens, como preguiças, tatus, quatis e veados podem ser apreciados, pois esta área é uma área protegida.

Desde 1977, com os Tratados Torrijos-Carter, o Panamá recuperou o controle do Cerro Ancón e uma de suas primeiras ações foi içar uma bandeira no topo da colina, como um símbolo da afirmação da ex-Zona do Canal como território do Panamá.

Como subir o Cerro Ancón:

Acesso ao Cerro por carro.
Acesso ao Cerro por carro.
  • Por carro: entrando pela Calle Gorgas na entrada do bairro residencial de Ancón, basta seguir as placas até o pé da montanha. De lá há uma estrada de mão única controlada pelo guarda que deixa os carros passarem de maneira controlada (entrada de carro permitida somente até as 15h). Este caminho é legal para conhecer o antigo bairro construído pelos estadunidenses em arquitetura tropical militar, seus casarios de madeira antigo num conceito de Cidade Jardim integrada na natureza dos seus bosques, e também apreciar as grandes construcoes militares que um dia foram centros de comandos e bunkers, hoje ocupadas pelas diversas instituições do Governo do Panamá.
  • Acesso ao Cerro a pé
  • A pé: desde a Quarry Heights Road, entrando pelo Centro Cultural “Mi Pueblito Antillano” (mostra de ruas e casas de madeira com toque crioulos de telhas e barros, o famoso Museu de la Pollera, uma barbearia, uma casa rural, e outra campestre, além de restaurantes de comida típica panamenha.), é uma rota que dura de 30 a 40 minutos de subida entre o bosque seco do Cerro, ideal para desfrutar a natureza e os animais do local.

E como uma imagem vale mais do que mil palavras, vos deixo com algumas fotos tiradas por mim lá do alto do Cerro Ancón!

Fotos tiradas desde o topo do Cerro Ancón, por Anderson Alves. dopanamapromundo.wordpress.com
Fotos tiradas desde o topo do Cerro Ancón, por Anderson Alves. dopanamapromundo.wordpress.com

C5 C2 C4 C3 C6

Hard Rock Hotel Panamá: o Hotel que é um destino por si só…

Hoje passo por aqui bem rápido para mostrar a vocês o Hard Rock Hotel Panamá, que eu costumo dizer, é um destino por si só na Cidade do Panamá. É tão verdade que, quando tenho visitas em casa, sempre os levo ao Hotel, seja para uma janta, uns drinks, ou simplismente conhecer a suntuosidade do lugar.

Fachada, Hard Rock Hotel Panama
Quarto do Hard Rock Hotel Panamá. Foto por http://es.paperblog.com/

Aí você me pergunta:
– mas por que isso, Anderson?

Simples:
– porque o Hotel é legal d.e.m.a.i.s!

 

Obs: não se trata de um post publicitário, não ganho nada com isso, por isso passo minha mais pura impressão sobre o local, tanto positiva quanto negativa…

Lobby Hard Rock Hotel Panamá. Fonte: http://www.arrakeen.ch
Lobby do Hard Rock Hotel Panamá
Piscina do Hard Rock Hotel Panamá

Bom, o Hard Rock Hotel é um Hotel novo, tem menos de dois anos de inaugurado, e está localizado bem na parte mais central da Cidade do Panamá, anexado ao shopping Multicentro, ao Hotel Radisson Decapolis e ao um Cassino (todos fazem parte de um mesmo complexo). A vista em si não é da melhores, já que é cercado por dezenas de outros predios e tem vista parcial da Bahia, além de estar ao lado de um rio usado como esgoto (as vezes fede sim ao redor). Mas o Hotel compensa esse com o luxo e a originalidade!

O Hotel está sendo bastante frequentado, até por celebridades! Ele tem uma super piscina com borda infinita onde você pode esbarrar com um lutador de UFC ou um(a) cantor(a) latino(a).

Os quartes são novos e versáteis, a um preco que não é tão astronômico quanto uma pessoa pensa (há promocoes comecando em USD 99,00 por diária).

Toda a decoracão é super descolada, vale muito a pena conhecer o conceito. Mas a festa mesmo acontece no Lobby, restaurantes e bares! Se você estiver em outro Hotel, vale a pena visitar o Hard Rock.

Bares: há 3 bares no complexo:

  • Stage Bar: com música ao vivo, gratuita, e noites de Rock as sextas.
  • Lobby Bar: com ótimos drinks.
  • BITS Rooftop Bar: na cobertura do Hotel, 62o andar, de onde se tem uma visão panorâmica da cidade (a melhor da cidade, mas só abre de quinta a domingo).
Stage Bar. por http://www.arrakeen.ch
Ciao Restaurant. Hard Rock Hote por http://www.arrakeen.ch
Bar BITS (Cobertura). Foto http://www.hrhpanamamegapolis.com/

Boate:

  • Bling: uma das boates mais requisitas da Cidade do Panamá
Boate Bling. Foto de divulgacao.

Restaurantes: existem 4 no local

  • Ciao: para comer pizzas e tapas espanholas inspiradas em frutos do mar
  • Tauro: uma steakhouse
  • Soy: de comida asiática
  • Baazar: comida Bufeet e Brunchs
Restaurante Baazar: the HRH Panamá

Spa e Academia:

Pontos Negativos:

  • Como nem tudo são flores, no geral, o Hotel deixa a desejar um pouco na parte de servicos (já ouvi algumas reclamacoes, também pelo TripAdvisor). Só que servico de baixa qualidade é quase um regra no Panamá…
  • Os drinks são os mais caros do Panamá.
  • Alguns restaurantes são mais caros que a média de outros restaurantes no Panamá.

 

Ainda assim, creio que vale uma visita, pela diversão, há de se “enfiar o pé na jaca” uma vez na vida! Boa viagem!

 

O Casco Antíguo desconhecido…

Fonte: la Prensa.com

Complementando o post anterior sobre o Casco Antíguo, venho lhes falar sobre uma notícia muito legal veiculada no Jornal “LaPrensa” deste domingo, 8 de Junho.

Como explique antes, a área do Casco Antíguo está passando por uma revitalização, pois antes era uma área esquecida, perigosa, ocupada por gangues e pelo tráfico de drogas.

Com os trabalhos de revitalização, houve um forte trabalho da polícia em desarticular gangues e prender os meliantes. Como parte do processo de resocialização, hoje estes ex-membros de gangues se juntaram e, apoiados pelas empresas locais, estão oferecendo serviços de City Tour pelo Casco Antíguo.

Mas por que isso é bacana?

Bem, primeiro porque mostra que sim, pessoas podem comecar uma nova vida longe da criminalidade – o que por si só já é um baita de um motivo para apoiá-los.

No entanto, a coisa vai além. O Tour é feito a pé pelas ruelas do Casco e além de você conhecer a fundo toda a história colonao da região, os Guias também contam suas histórias reais de como era a vida no Casco nessa época de criminalidade, histórias tristes, alegres, curiosas…

E para finalizar, você acaba o Tour com uma janta servida na rua, que é preparada pelos guías e com apoio do Restaurante “Donde José” (que hoje é um dos melhores restaurantes de menu degustação de comida panamense na Cidade…).

Quer participar? Entao ao serviço:

  • Todos os sábados, começando as 17h na Praça Herrera (atrás do American Trade Hotel).
  • Custo: USD 10,00 por pessoa, pagos na hora, sem necessidade de reserva antecipada.
  • Contatos: (+507) 6228-9214

Metrô da Cidade do Panamá está funcionando!

Metro, Estacão Via Argentina

Uma boa notícia para a Cidade do Panamá é a que a Linha 1 do metro já está operacional. A notícia é melhor ainda para os “turistas-compradores” pois o metro pode te deixar na porta do Albrook Mall com muito mais segurança e rapidez!

Por enquanto, o metro está rodando em sistema de “teste”, de 8:00 às 22:00h e neste período, o uso é gratuito. Mas atenção às dicas de uso:

  • Ainda não estão definidos nem o valor final da passagem e nem quando começará a ser cobrada. Mas haverão eleições em Maio/2014, por isso é muito difícil que o Governo comece a cobrar passagem antes do dia da eleição;
  • A passagem custa USD 0,35 a partir de 15 de junho de 2014.
  • Mesmo sendo gratuito, para passar pela catraca é necessário comprar o cartão de acesso, que custa USD 2,00 e é comprado nas máquinas de venda automática nas estações. A máquina não dá troco, e nem aceita moedas de 1 Balboa, por isso tenha à mão notas de 1 dólar;
  • Você não precisa comprar um cartão para cada pessoa, em estando em grupo, você pode comprar somente um cartão e usa-lo várias vezes para o grupo, recarregando-o;
  • Como até dia 15 de junho de 2014 neste primeiro momento o metro é grátis, o programa domingueiro do do Panamenho é andar de metrô. Assim aos domingos as estações de metrô (principalmente do Albrook) ficam abarrotadas de gente! Isso pode te dar um pouco de cabeça se estiver cheio de compras. Por isso considere usar táxi aos domingos. O mesmo vale para o fim do dia, quando todos estão saindo do trabalho (entre 17:30 e 19;00h); e
  • Existem regras de uso e segurança no metro (como não comer nem beber nas estacoes e trens, não usar carrinho de bebes (ter as crianças sempre de mãos dadas). Para saber mais, acesso o site do Metro e evite uma multa de USD 100,00…

Mas atenção: a linha 1 do metrô não percorre todas as zonas turísticas/hoteleiras da cidade. Assim, se você quer fazer uso do metro, recomendo ficar hospedado em algum Hotel das zonas de Obarrio/El Cangrejo, pois são as zonas turísticas servidas por estações (Via Argentina e Estacão da Igreja El Carmen). Acesse este post para conhecer os Hotéis.

Rota: A Linha 1 tem a seguinte rota:

  • Sul: Los Andes (última estação), que é um Centro Comercial popular, nos moldes do Centro Comercial Los Pueblos (com alguns outlets)
  • Norte: Albrook Mall  (última estacão), a estação fica cruzando o Corredor Norte (via expressa), e para acessar o Albrook use a passarela identificada na saída da estacão e atravesso o Terminal Rodoviário

Um efeito colateral interessante do metrô foi sobre os taxistas! Agora com a população migrando em massa dos táxis e ônibus para o metrô, os taxistas estão ficando desesperados por passageiros! Ou seja, estão se negando menos a levar passageiros e estão tendo que abaixar o preço da corrida: ponto pra gente!

Por fim, tenha paciência ao usar o metrô. Apesar de ser algo “corriqueiro” para muitos brasileiros, e atè certo ponto intuitivo o uso, o metrô é recente no Panamá, e muita gente simplesmente não sabe usar (como o simples ato de esperar a pessoa dentro do trem sair antes de embarcar…).

Rota da Linha 1 do Metro. Por Metro de Panama.

Passeio de 1 dia en Colón: Eclusas de Gatún, Forte San Lorenzo e Comida Criola

Entrada da Eclusa de Gatún. Foto por Anderson Alves
Entrada da Eclusa de Gatún. Foto por Anderson Alves

Aproveitando o feriadão de carnaval e a cidade vazia, coloquei a família no carro e fomos para a província de Colón para aproveitar o dia (tirando proveito de que essa zona no carnaval fica vazia, já que todos vão curtir o carnaval em Penonomé e Las Tablas). Assim, deixo para vocês um relato de um passeio legal, estilo “bate-e-volta” de um dia, tanto para quem está na Cidade do Panamá e quer “atravessar o país de um oceano a outro = 68km!” ou para quem desembarcou de um cruzeiro em Colón e quer fugir um pouco das compras…

Colón

Como disse, esse passeio é pra ser feito na Provincía de Colón – e não na Cidade de Colón (que é meio perigosa), mais exatamente no seu lado Oeste, ao redor da zona do Canal do Panamá. Para mais informações gerais de Colón, leia este post.

Carro alugado, táxi ou transfer turístico?

Bem, isso vai depender do seu gosto. Eu, pessoalmente, escolheria alugar um carro para ter mais liberdade e flexibilidade com o itinerário. Se decidir por táxi, procure algum referenciado preferencialmente por meio de seu Hotel. Apoio de uma agência turística é sempre o mais seguro, mas normalmente o mais caro e mais inflexível.

Itinerário

 

Agora vamos ao itinerário:

  1. Eclusas de Gatún (USD 5,00 por pessoa);
  2. Mirador das obras de expansão do Canal (gratuito);
  3. Cruzamos a ponte inferior do Canal (gratuito);
  4. Entramos no antigo Forte Americano Sherman e almoçamos na Marina Shelter Bay (cerca de USD 12,00-15,00 por prato)
  5. Entramos no Parque San Lorenzo (USD 5,00 por pessoa) e visitamos as ruínas do Forte espanhol de San Lorenzo, que guardava a entrada do Panamá.
Mapa de localizacao. Por Anderson Alves, based on Google Maps.
Mapa de localizacao. Por Anderson Alves, based on Google Maps.

 

Detalhes

  • Eclusas da Gatún: é o primeiro jogo de Eclusas pelo lado Atlântico (Caribe). Ok, você pode pensar: “mas a Miraflores é dentro da Cidade do Panamá, e se eu vi uma, eu vi todas, pois elas operam igual…” Bem, é verdade que elas operam igual, mas o legal das Eclusas de Gatún é que o deck de observação fica muito, mas muito perto do navio, fato que te dá uma impressão muito maior da dimensão que é o Canal, dos navios, da obra de construção na época e da logística envolvida para fazer tudo funcionar… Realmente é incrível! Além disso tem antigos equipamentos em exposição no local, como um antigo sistema de engrenagens usado para abrir e fechar as comportas do Canal e os carrinhos usados para rebocar e estabilizar os navios durante sua travessia.

DSCF5204DSCF5209

Os navios na Eclusa de Gatún, muito mais perto que em Miraflores. Foto por Anderson Alves
Os navios na Eclusa de Gatún, muito mais perto que em Miraflores. Foto por Anderson Alves
Engranagem dos 1960 usada na abertura das comportas, gigante! Foto por Anderson Alves
Engranagem dos 1960 usada na abertura das comportas, gigante! Foto por Anderson Alves
  • Mirador das obras de expansão do Canal: esse é um passeio que tem data para acabar: 2015 (então corra!). Pouca gente sabe, mas o Canal do Panamá está passando por obras de expansão, estão construindo novos jogos de eclusas que possibilitarão navios de maior calado transitar pelo Canal. Essa é uma oportunidade única, ÚNICA, para ver de perto a grandiosidade e a engenharia necessária para uma obra tão grande e tão importante para todo o mundo antes que as obras terminem e todo o local fique debaixo d´água! Para se ter uma idéia, cada comporta da nova eclusa tem o tamanho de um prédio de 14 andares!
Obras de expansão do Canal. Corra, pois após 2015, tudo isso vai estar debaixo d´água!

 

  • Cruzando o canal pela Eclusa de Gatún: sim, um gesto simples, realizado dentro do carro, mas de certa maneira, impressionante! Também pouca gente sabe, mas atualmente existe uma pequena ponte móvel localizado logo antes da primeira comporta da eclusa, no nível mais baixo da comporta. Assim os carros podem passar de um lado pro outro justo “atrás” ou “debaixo” da comporta. Esse simples ato de cruzar a comporta te dá uma idéia de como é grande o canal… É muito legal de ver… Aproveite também, pois assim que as novas eclusas forem inauguradas em 2015, provavelmente esse caminho escondido será fechado… Então, quem passou, passou…
Início do cruzamento por carro.
Início do cruzamento por carro.
A comportas de Gatún vistas "de baixo"
A comportas de Gatún vistas “de baixo”
Fila de carros para passar..
Fila de carros para passar..
  • Almoço na Shelter Bay Marina: Shelter Bay é um Hotel/Marina que fica dentro da antiga base Sherman (operada pelos Estados Unidos até 1990). Ele funciona como marina para barcos, iates e catamaras que estão de passeio pelo Caribe, além de ponto de reabastecimento e descanso. Além disso, há um restaurante muito legal (simples e informal) de comida típica caribenha criola. Vale a pena passar ai para almoçar e provar a culinária criola caribenha, mas tenha paciência, pois o serviço dos garçons não é dos melhores!
Shelter Bay Marina, dentro do antigo Forte Sherman
Shelter Bay Marina, dentro do antigo Forte Sherman
Shelter Bay Marina
Shelter Bay Marina

Peixe grelhado em crosta de amendoim ao molho de abacaxi e coentro con arroz de côco... Mais caribenho e criolo nao há, acompanhado de uma cerveja Panamá.
Peixe grelhado em crosta de amendoim ao molho de abacaxi e coentro con arroz de côco… Mais caribenho e criolo nao há, acompanhado de uma cerveja Panamá.

 

  • Parque Nacional San Lorenzo / Forte de San Lorenzo: O parque San Lorenzo é um pequeno oásis tropical, lar de 12 ecossistemas e muitas cachoeiras além de algumas praias, ele é muito famoso pela rica fauna, e muitas pessoas vao ai fazer tours de observação de pássaros. No entanto, se você não quer usufruir destes apelos naturais, vale ir direto para o Forte de San Lorenzo, um dos dois Fortes espanhóis que ainda estao (relativamente) de pé na província de Colón. Interessante para conhecer como os espanhóis protegiam a entrada caribenha do Panamá e tirar algumas fotos…

DSCF5302 DSCF5288 DSCF5287DSCF5291

E fim do passeio! Espero que tenham gostado!

Serviço:

  • A partir da Cidade do Panamá: pegue a estrada (carretera) Panamá-Colón (pedagiada, total de USD 10,00 ida e volta). Na entrada de Colón vire à esquerda, no balao, e logo à esquerda (ao lado do viaduto) na placa “Forte Davis”. Siga as placas para a Eclusa de Gatún. Cruze a eclusa e siga as placas para Shelter Bay e depois San Lorenzo.
  • A partir do Porto de Passageiros de Colón:  pegue a via principal no sentido da saída de Colón (rumo à Cidade do Panamá), logo na saída haverá um viaduto em construção, tome a rua à direita seguindo a placa para “Forte Davis”. Siga as placas para a Eclusa de Gatún. Cruze a eclusa e siga as placas para Shelter Bay e depois San Lorenzo.

 

Amador Causeway: para uma agradável fim de tarde…

O Amador Causeway (Calzada Amador, ou Calçada Amador – em português) pode ser o tipo de passeio mais “real”  que o turista pode ter no Panamácomo para experimentar  como os panamenhos e residentes passam seu fim de semana de distração. Por isso mesmo, esse é o tipo de passeio que é “ame-o ou odeio-o”.

O Amador é uma estrada aterrada com um calçadão de cerca de 7km (na qual foi usada a terra retirada do Canal durante sua construção) que liga as Ilhas Naos, Culebra, Perico e Flamenco. O aterro foi feito para servir de “quebra ondas” uma vez que essas ilhas estão localizadas justo na entrada Pacífico do Canal (minimizando, assim, os efeitos das ondas no tráfego de navios).

Amador Causeway, foto do início do Século XX vs. Foto Atual. Fonte: Autoridad del Canal de Panamá
Amador Causeway, foto do início do Século XX vs. Foto Atual. Fonte: Autoridad del Canal de Panamá

A ilha Naos, por exemplo, era usada como ponto de quarentena para os imigrantes doentes que chegavam ao Panamá para construir o Canal (principalmente os com “Lepra” – Hanseníase), mas que hoje alberga o Centro Smithsonian de Pesquisas Tropicais. Posteriormente, durante a II Guerra Mundial, estas ilhas foram usadas pelas forças armadas dos EUA como ponto estratégico de proteção do Canal (pois os Japoneses planejavam atacar o Canal), mas que hoje são importantes pontos turísticos da Cidade do Panamá

DSC03261  DSCF4318 DSCF4319Amador em um típico fim de domingo. Foto por Anderson AlvesAmador em um típico fim de domingo. Foto por Anderson Alves

Com a devolução do Canal aos panamenhos, iniciou-se um processo de revitalização desta região. Assim, por causa da sua localização (na saída Oeste, mas ainda dentro da Cidade do Panamá) e pelo amplo espaço, o Causeway se converteu em um ponto de encontro de maratonistas (e corredores em geral), ciclistas e famílias que querem aproveitar o fim de tarde, principalmente sábados e domingos, quando o local se enche de residentes e turistas.

Por estar justo na entrada do canal, têm-se aí uma vista muito bonita do mar e dos navios que trafegam pelo canal, passando bem devagar e bem perto. O lugar é bonito e venta bastante, o que ameniza o sol forte panamenho. Assim que parece que o dia passa mais devagar.

Foto do Biomuseu: arquitetura arrojada do Museu natural que promete ser um dos mais importantes da América Latina.
Foto do Biomuseu: arquitetura arrojada do Museu natural que promete ser um dos mais importantes da América Latina.
Mapa de Atrações do Amador Causeway. Preparado por Anderson Alves
Mapa de Atrações do Amador Causeway. Preparado por Anderson Alves

O que fazer no Amador Causeway

  • Alugar uma bicicleta (individual, de dupla ou até para 4 pessoas), triciclo ou segway elétrico para percorrer a calcada.
  • Por em dia sua corrida;
  • Aproveitar a noite de rumba (balada) da Zona Viva;
  • Visitar o Museu da Biodiversidade – Biomuseu (a partir de Fevereiro/2014);
  • Visitar o Centro Smithsonian de Pesquisas Tropicais (Ilha Naos – Smithsonian Tropical Research Institute);
  • Pegar o barco para visitar a Ilha Contadora;
  • Pegar o barco para visitar a Ilha Coiba (para a temporada de avistamento de baleias, em Julho);
  • Se hospedar em um dos Hotéis;
  • Compras no Duty Free;
  • Participar de reuniões ou festivais no Centro de Convenções;
  • Comer em um dos restaurantes ou bares da região…

Dica:

  • Prefira visitá-lo nos fins de semana, pois tem mais movimento, sendo um passeio mais agradável (nos dias de semana, vazio, muitas coisas podem estar fechadas…) e na parte da tarde, após 16h, pois o clima vai ficando mais ameno…

DSC03294 DSC03296 DSC03278Centro Smithsonian: visita agradável para adultos e crianças. Fotos por Anderson AlvesCentro Smithsonian: visita agradável para adultos e crianças. Fotos por Anderson Alves

Como chegar:

  • De táxi (por volta de USD 10,00)
  • De ônibus turístico “Hop on, Hop Off”
  • De ônibus regular, metrobus, a partir do Terminal Nacional de Albrook
  • Carro alugado

Dica de Restaurante: Leños & Carbón Gourmet

Enquanto no Amador, se bater aquela fome junto da vontade de comer um boa carne assado em carvão, seu lugar é o Restaurante Leños & Carbón. Esta é uma cadeira colombiana de carnes que sempre entrega bons cortes a preços muito justos!

Fonte: Degustapanama.com
Punta de palomilla: a picanha panamenha/colombiana. Foto por Degustapanama.com
O restaurante também serve frutos do mar e peixes. Foto por Anderson Alves
Uma parrillada bem servida! Foto por Degustapanama.com

Colón e sua Zona de Livre Comércio

Colón, Google Maps

A Cidade de Colón fica na Província de Colón, ao norte da Província do Panamá e é a principal cidade daquela Província. Colón já foi uma região muito importante no país: era por onde se dava a entrada/saída do Caribe:  os espanhóis despachavam o ouro e outras riquezas para Espanha a partir de Colón, riquezas estas que eram trazidas das suas colônias do Pacífico e entravam via Cidade do Panamá (pacífico), cruzando os 8Okm do istmo por terra.

Mais adiante, após a independência da Espanha e da separação da Colômbia, A cidade de Colón foi oficialmente fundada em 1850, por ter ainda certa importância geográfica, enquanto os EUA construíram e controlavam o Canal. Quase toda a zona ao redor do Canal até o porto de Colón era una zona militarizada dos EUA, e a economia local girava em torno do exército e os serviços prestados para os militares e suas famílias.

Colón, Porto de Colón e Zona Livre ao Fundo. Foto por: http://turismoprovinciadecolon.blogspot.com/

Já um pouco antes da devolução do controle do Canal pelos EUA aos Panamenhos, a Colón começou e perder importância política e econômica, quando culminou a queda com a saída das tropas dos EUA em 1999, aí a cidade mergulhou num período de pobreza e violência.

Assim, apesar da rica arquitetura e da importância histórica, a cidade de Colón infelizmente recebe pouca atenção. Devido às condições de pobreza, violência e falta de estrutura turística, não é muito recomendável passear pela cidade. Atualmente está se iniciando um movimento importante de navios de cruzeiro que viajam pelo sul do Caribe partindo de Colón, talvez este seja um importante estopim para facilitar investimento e melhorar a estrutura e economia da cidade: torceremos por isso!

Forte de Portobelo, Colón. Foto por: http://turismoprovinciadecolon.blogspot.com/

Turismo na Província de Colón:

Sendo a porta de entrada e saída do Caribe, Colón tem uma importante mistura de etnias e culturas, principalmente da cultura negra, devido à imigração de escravos libertos ou fugidos das ilhas do Caribe (Colón tem a maior população negra do Panamá) para trabalhar na construção do Canal, misturando-se aí a cultura africana e hispânica (além da indígena) e línguas como espanhol, inglês, francês e o papiamento.

Apesar da Cidade de Colón ter pouca (ou nenhuma) estrutura turística, a Província de Colón ainda trás importantes atrativos, como:

Trem Panamá-Colón. Foto por http://www.guiaenpanama.com

Cruzeiros pelo Sul do Caribe

Estão se (re)iniciando, agora, uma onda de cruzeiros pelo sul do Caribe (alguns chegando até Miami) saindo do Porto de Colón 2000, na cidade de Colón. Assim há muitos brasileiros que vem ao Panamá por avião para seguir o cruzeiro. Neste caso, você tem duas opções de transporte/hospedagem locais:

 

  • Hospedar-se Cidade do Panamá: caso queira aproveitar um par de dias para visitar a Cidade e fazer compras, a melhor opção é se hospedar na Cidade do Panamá, hotéis não faltam aqui. A distância entre a Cidade do Panamá e Colón é de 80km (ou 1h de viagem), que pode ser feita:
  1. Trem – saindo da estação de trem de Albrook-Las Cardenas vai direto pro porto Colón 2000, passando por dentro do Canal.
  2. Ônibus – saindo do Terminal Albrook, é o meio mais barato, mas te deixa dentro da cidade de Colón, tem que tomar outro táxi para ir até o porto.
  3. Taxi – meio mais caro, a ser negociado na sua chegada no Panamá
  4. Shuttle – também caro, a ser contratado com alguma empresa de turismo ou hotel local.

 

  • Hospedar-se na Cidade de Colón: dentro da cidade não há hotéis turísticos. A melhor opção é ficar em um dos resorts que ficam ao redor da cidade de Colón, onde muitos turistas de negócios ficam, e contratar um shuttle (ou taxi) to Hotel até o porto:
  1. Hotel Meliá Panamá Canal
  2. Four Points by Sheraton Colón
  3. Radisson Colón 2000 Hotel & Casino

Zona Livre de Colón: compras

Em 1948 foi criada a Zona Livre de Colón, o entreposto comercial mais importante das Américas. A Zona Livre é servida por 3 portos super modernos, os mais importantes do Caribe. Mas fazer compras em Colón não é tão mamão-com-açúcar como se pensa:

  • A Zona Livre é uma área comercial para vendas no Atacado. Assim se obtém um preço baixo ao se negociar uma grande quantidade de itens;
  • A Zona Livre é destinada às empresas e compradores atacadistas. Turistas, em principio, tem entrada restrita. Claro que muitos entram, mas prepare-se para ficar a margem da lei e ter que pagar um “cafezinho” para a segurança;
  • Uma vez dentro da Zona Livre é uma loucura, é uma cidade murada feita só de lojas, e muitas lojas não vendem no varejo. Então ou você sai à caça das lojas que vendem em varejo (perdendo tempo precioso), ou contrata um guia para te ajudar na sua busca;
  • Ao encontrar a loja de varejo, muito provavelmente a diferença de preço não vai ser tão grande (se comparada à Cidade do Panamá, uma média entre 10 a 15% a menos, e alguma promoção pode te dar uns 25% de desconto);
  • Da mesma forma, não se deveria poder sair com itens comprados da Zona Livre. Ao sair da Zona a pessoa tem que pagar imposto. O correto é: ao se comprar, a loja que vendeu se encarrega de enviar a mercadoria para o Brasil (se for por atacado) ou ao Porto/Aeroporto (se por varejo). Assim, sair com sacolas grande dali é arriscado e, mais uma vez, vão te pedir o famoso “cafezinho” para facilitar as coisas; e
  • A partir de Agosto de 2014, está proibido vender a Varejo na Zona Livre de Colón. Saiba mais aqui.
  • Por fim, a Zona Livre funciona somente de Segunda a Sexta, em horário comercial.
Zona Livre, por http://www.panamaamerica.com.pa
Zona Livre, Fonte: Laprensa.com
Zona Livre, fonte: Laprensa.com

O Canal do Panamá, por outro ângulo

Travesia do Canal, por Billy do http://airdesignstudio.blogspot.com

Bem, a gente sempre está acostumado a ver o Canal do Panamá pela Eclusa Miraflores, de “fora pra dentro”, ou de “cima pra baixo”, ou seja, você vê o trafego a partir da eclusa, como mero espectador.

O que pouca gente sabe é que dá pra fazer o inverso: saber como é passar pelo Canal e ver as coisas de “dentro pra fora”.

Foi isso o que a Blogueira Billy, que é portuguesa, fez: uma travessia pelo canal (veja aqui).

Existem dois tipos de travessia:

  • O completo, que dura um dia inteiro, que começa na Cidade do Panamá (Pacífico), cruza todos os 80km do Canal, e termina em Colón (Caribe), retornando de carro à Cidade.
  • O parcial, que dura meio dia, que começa em Gamboa, perto do Lago Gatún (no meio do Canal) e vai em direção à Cidade do Panamá passando por 2 eclusas.

Serviço:

http://www.canalandbaytours.com/eng/index.php

http://www.pmatours.net/